Visão geral sobre instalações elétricas em áreas classificadas

Uma área é dita classificada quando em sua extensão ou em suas adjacências existe algum produto químico, ou uma combinação deles, que representa uma fonte de perigo devido a condições de explosividade e inflamabilidade, isto é, a capacidade de uma substância gerar combustão.

Quando falamos em áreas classificadas, geralmente estamos nos referindo a áreas industriais, mas não necessariamente este conceito se limita a indústrias petroquímicas. Além de hidrocarbonetos, poeiras também podem ser combustíveis e podem, portanto, classificar a área.

Segundo a ABNT NBR IEC 60079-10, que trata de classificação de áreas, existem alguns tipos de Zonas para áreas com gases e vapores, a seguir classificados, por ordem decrescente de periculosidade:

  • Zona 0 – Atmosfera Explosiva – está presente durante longos anos;
  • Zona 1 – Atmosfera Explosiva – pode ocorrer em operação normal;
  • Zona 2 – Atmosfera Explosiva – pode ocorrer em operação anormal.

O grau de periculosidade dos gases está definido em função da energia liberada durante a explosão. Os grupos são os seguintes, por ordem crescente de periculosidade:

  • IIA – acetona, butano, benzeno, propano, hexano, GLP, etano, pentano, heptano, gasolina, álcool metil e etil.
  • IIB – etileno, ciclopropano, butadieno 1-3
  • IIC – acetileno, hidrogênio

Além disso, também existe a classificação de temperatura de uma área. Estou anexando um Guia Ex_Final da Nutsteel, conceituada empresa fornecedora de materiais e equipamentos com proteção para áreas classificadas, ilustrativo e muito didático.

Falando de instalações elétricas em áreas classificadas

Existem diversos tipos de proteção para materiais e equipamentos para áreas classificadas, cada uma com suas particularidades.

Por exemplo, para zonas 1 e 2 temos dois tipos clássicos de proteção: à prova de explosão e segurança aumentada. A principal diferença entre elas é que na primeira, o equipamento é projetado sem nenhum tipo de proteção, mas é inserido em invólucro específico para áreas classificadas; é o caso daquelas caixas para painéis muito robustas, com diversos parafusos. Ocorrendo um curto-circuito, centelhas ou emissão de alta temperatura pelo equipamento, este invólucro impedirá que a pressão interna provoque o contato da atmosfera explosiva com os componentes internos do equipamento, com a abertura da caixa. Já no segundo caso, o próprio equipamento é protegido, de forma que não produza centelha, faísca ou alta temperatura.

Segundo a NR-10, em seu item 10.9.5. “Os serviços em instalações elétricas nas áreas classificadas somente poderão ser realizados mediante permissão para o trabalho com liberação formalizada, conforme estabelece o item 10.5 ou supressão do agente de risco que determina a classificação da área.”

Isto significa que todo o cuidado é pouco quando ocorrem serviços em instalações em áreas classificadas, principalmente aqueles com emissão de alta temperatura, como soldas. O ideal é trabalhar sempre com as instalações elétricas desenergizadas ou durante paradas.

Ainda de acordo com a NR-10, em seu item 10.9.4. “Nas instalações elétricas de áreas classificadas ou sujeitas a risco acentuado de incêndio ou explosões, devem ser adotados dispositivos de proteção, como alarme e seccionamento automático para prevenir sobretensões, sobrecorrentes, falhas de isolamento, aquecimentos ou outras condições anormais de operação.”

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s